domingo, 15 de março de 2015

Curso EAD em História e Teologia das Tradições de Matriz Africana: Batuque e Candomblé

Com o Prof. Bàbá Hendrix Silveira de Ọ̀rúnmìlà

APRESENTAÇÃO

O curso tem por objetivo entender a História e a Teologia das Tradições de Matriz Africana. Busca compreender como essa tradição sofreu a sua destituição epistemológica; atribui sentidos e propósitos aos rituais a partir de uma reflexão teológica fundamentada numa epistemologia interdisciplinarizada, afrocentrada e pós-colonializada; dá-nos a conhecer a história dessa tradição, desde suas origens africanas até a reestruturação local; auxilia tanto pesquisadores sobre o tema quanto profissionais na área de educação, sobretudo no campo da Teologia, das Ciências da Religião e do Ensino Religioso; assim como municiar os vivenciadores que, devido à perseguição histórica, acabaram por ter seus saberes ancestrais destituídos com o epistemicídio engendrado pelo colonialismo.

OS MÓDULOS

Este curso será desenvolvido em cinco módulos totalizando 60h. No primeiro tratamos da tradição africana na sua relação com sua história e cultura. No segundo falamos dos africanos traficados para o Brasil durante o sistema escravista, como se deu o processo diaspórico e a estruturação no Rio Grande do Sul. No terceiro esmiuçaremos a perseguição sistemática a essa tradição: a afroteofobia. O quarto módulo versará sobre a Afroteologia, seus pressupostos metodológicos e a sua sistematização. O último módulo tratará sobre a avaliação final que se dará em forma de resenha crítica dos textos aplicados nos módulos anteriores.
Cada módulo está inserido numa linha estrutural dinâmica que os une garantindo a completude do conhecimento adquirido. Os módulos não poderão ser cursados de forma independente.
Os componentes curriculares estão distribuídos da seguinte maneira:

MÓDULO
TEMA
CONTEÚDO
CH
Módulo 1
HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA
        Apresentação
        A cosmovisão africana
        Sistema sócio-político e sua relação com a cosmovisão
10h/a
Módulo 2
A DIÁSPORA: LEGADOS AFRICANOS
       O sistema escravista
        Os yorùbá nas Américas
        Os yorùbá no Brasil
        A tradição yorùbá no Rio Grande do Sul
10h/a
Módulo 3
AFROTEOFOBIA: ORIGENS DA PERSEGUIÇÃO AO BATUQUE
       Cultura e barbárie europeias
        Racismo: ideologia de dominação
        Intolerância religiosa
10h/a
Módulo 4
AFROTEOLOGIA: TEOLOGIZANDO AS TRADIÇÕES DE MATRIZ AFRICANA
       Teologia é ciência?
        Exunêutica: elementos para uma interpretação pelas TMAs
        Afroteologia Sistemática
20h/a
Módulo 5
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO
       Resenha crítica
10h

METODOLOGIA

Os estudos serão desenvolvidos a distância, sem que o aluno precise sair de sua residência para participar de aulas ou atividades e não depende de formação de turma. Cada módulo terá uma apostila. Dúvidas poderão ser encaminhadas por e-mail. Haverá ainda a disponibilidade do recurso de aulas on-line utilizando a ferramenta Skype mediante solicitação prévia do aluno. Disponibilizaremos uma página do Facebook e/ou um grupo no Yahoo grupos para socialização de questões pertinentes ao curso, onde poderão também ser tiradas dúvidas e auxílio no processo de avaliação final. A avaliação será a produção individual de uma resenha crítica (analítica) do material oferecido nos quatro módulos anteriores.

LOCAL

No local que preferir. Basta ter um computador e uma conta de e-mail.

DATA
Não depende de formação de turma, então pode ser a qualquer momento, de acordo com sua conveniência.

VALORES

MODO
VALOR
FORMAS DE PAGAMENTO
Curso completo (60h)
250,00
À vista com 10% de desconto ou
50,00 por módulo

Cada pagamento libera um módulo. Não há taxa de matrícula.
Obs.: Desconto de 10% para professores da rede pública de educação. Traga amigos e ganhe 10 reais de desconto por amigo.

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO -> Clique aqui

PÚBLICO ALVO

Este curso tem como público alvo professores e alunos do ensino superior, do ensino médio, das séries finais do ensino fundamental, do ensino profissionalizante, da educação de jovens e adultos (EJA), afro-religiosos e demais interessados.

O DOCENTE

O Prof. Hendrix Silveira é Doutorando e Mestre em Teologia e História pelas Faculdades EST. Possui graduação em História pela Faculdade Porto-Alegrense e pós-graduação em Ciências da Religião e História e Cultura Afro-Brasileira, ambos pela Universidade Cândido Mendes com mais de 600 horas em cursos de extensão universitária, capacitação e aperfeiçoamento na temática afro. Professor de História e Cultura Africana e Afro-Brasileira, pesquisador africanista há mais de 20 anos; Coordenou o Ẹgbẹ́ Ọ̀run Ayé – Associação Afro-Brasileira de Estudos Teológicos e Filosóficos das Culturas Negras no período 2008-2014; colaborador de jornais e revistas especializadas; representa a quinta geração de sua família que vivencia o Batuque, tradição de matriz africana estabelecida no Rio Grande do Sul; sacerdote há mais de 10 anos, foi consagrado Bàbálórìṣà do Ilé Àṣẹ Òrìṣà Wúre, em 2008. Ver Currículo Lattes

REFERÊNCIAS UTILIZADAS NO CURSO

ABÍMBỌ́LÁ, Wándé. A concepção iorubá da personalidade humana. Trad. Luiz L. Marins. Março/2012. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2013.
_______. Ìwàpèlè: O conceito de bom caráter no corpo literário de Ifá. In: Tradição Oral Ioruba: seleção de artigos apresentados no seminatio sobre tradição oral iorubá: poesia, musica, dança e drama. Departamento de Línguas e Literaturas Africanas, Universidade de Ile Ifé. Trad. Rodrigo Ifáyodé Sinoti. Ile Ifé, Nigéria, 1975, p. 389-420. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2013.
ADÉKỌ̀YÀ, Olúmúyiwá Anthony. Yorùbá: tradição oral e história. São Paulo: Terceira Imagem, 1999.
ÁFRICA: uma história rejeitada. Produção e direção: David Dugan. In: CIVILIZAÇÕES Perdidas. [S.I.]: Time-Life Vídeo, 1995. 10 videocassetes, VHS, v. 9 (47 min), NTSC, Son., Color. Título original: Lost civilizations. [também disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2014.]
ALVES, Míriam Cristiane. Desde dentro: processos de produção de saúde em uma comunidade tradicional de terreiro de matriz africana. Porto Alegre: PUC/RS, 2012. 306 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.
AMIN, Samir. O desenvolvimento desigual: ensaio sobre as formações sociais do capitalismo periférico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1976. 334 p.
ARAÚJO, Glauber Souza. Paul Tillich e sua teologia da cultura. Correlatio. v. 9, nº 17. São Paulo, 2010. p. 178-187. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2014.
ASANTE, Molefi Kete; MAZAMA, Ama (org.). Encyclopedia of African religion. USA: SAGE Publication, Inc., 2009.
ASSUMPÇÃO, Jorge Euzébio. Época das charqueadas (1780-1888). In: CARELI, Sandra da Silva; KNIERIM, Luiz Claudio (org.). Releituras da história do Rio Grande do Sul. Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e folclore. Porto Alegre: CORAG, 2011. p. 139-158.
ATLÂNTICO negro: na rota dos Orixás. Direção: Renato Barbieri. [São Paulo]: Instituto Itaú Cultural, 1998. 1 DVD (53 min), NTSC, son. Color. (também disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2014.)
BÂ, A. Hampaté. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (ed.). História geral da África I: metodologia e pré-história da África. Brasília, DF: UNESCO, 2010. p. 167-212.
BARROS, José Flávio Pessoa de. A fogueira de Xangô… o Orixá do fogo: uma introdução à música sacra afro-brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, 1999.
BARROS, Marcelo. O sabor da festa que renasce: para uma Teologia Afro-Latíndia da Libertação. São Paulo: Paulinas, 2009. 190p.
BAUMAN, Zygmunt. Ensaios sobre o conceito de cultura. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
BENISTE, José. As águas de Oxalá: (àwon omi Óṣàlá). 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
______. Ọ̀run-Àiyé: o encontro de dois mundos: o sistema de relacionamento nagô-yorubá entre o céu e a terra. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.
______. Jogo de Búzios: um encontro com o desconhecido. 5. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008b. 294 p.
BEOZZO, José Oscar. Evangelho e escravidão na teologia latino-americana. In: RICHARD, Pablo (org.) Raízes da teologia latino-americana. São Paulo: Paulinas, 1988, p. 83-122.
BERKENBROCK, Volney J. A experiência dos orixás: um estudo sobre a experiência religiosa no candomblé. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. 470 p.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. Trad. Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.
BOFF, Clodovis. Teoria do Método Teológico. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.
BOTAS, Paulo Cezar Loureiro. Carne do sagrado, Edun Ara: devaneios sobre a espiritualidade dos orixás. Koinonia Presença Ecumênica e Serviço/Vozes: Rio de Janeiro/Petrópolis, 1996.
BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2007.
BRANDÃO, Junito de Souza. Dicionário mítico-etimológico da mitologia grega. v. 1. Petrópolis: Vozes, 1991. p. 548-552.
BRANDON, George. Santeria. In: ASANTE, Molefi Kete; MAZAMA, Ama (org.). Encyclopedia of African religion. USA: SAGE Publication, Inc., 2009. p. 589-593.
BRASIL. Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana (2013-2015). Presidência da República. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. 2013.
______. Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Comunidades tradicionais. Disponível em: . Acesso em: 23 maio 2014.
BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992. 289 p.
CARVALHO, José Murilo de. O motivo edênico no imaginário social brasileiro. Revista brasileira de ciências sociais [online]. v.13, n.38. São Paulo, out. 1998.
COMAS, Juan; et al. Raça e Ciência I. São Paulo: Perspectiva, 1960. 272 p.
CORRÊA, Norton F. O batuque do Rio Grande do Sul: antropologia de uma religião afro-rio-grandense. 2. ed. São Luís: Cultura & Arte, 2006. 296p.
______. Os bimembranófonos iorubá no Brasil. European Review of Artistic Studies. v.2, n.3, 2011, p. 60. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2014.
CUPERTINO, Fausto. As muitas religiões do brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976. 143 p.
DAVIDSON, Basil. À descoberta do passado de África. Lisboa: Sá da Costa, 1981.
DEL PRIORE, Mary; VENÂNCIO, Renato Pinto. Ancestrais: uma introdução à história da África atlântica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
DEPESTRE, René. (Trad. Maria Nazareth Fonseca e Ivan Cupertino) Bom dia e adeus à negritude. Paris: Robert Laffont, 1980. 262p.
DESMANGLES, Leslie. Vodou in Haiti. In: ASANTE, Molefi Kete; MAZAMA, Ama (org.). Encyclopedia of African religion. USA: SAGE Publication, Inc., 2009. p. 695-700.
DUSSEL, Enrique. Oito ensaios sobre cultura Latino-Americana e libertação. São Paulo: Paulinas, 1997. 231p.
______. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p. 24-32.
ELIADE, Mircea. Origens: história e sentido na religião. Lisboa: Edições 70, 1989. 203 p.
______. O mito do eterno retorno. São Paulo: Mercuryo, 1992. 175 p.
______. O sagrado e o profano: a essência das religiões. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
FASI, Mohammed El; HRBEK, Ivan (ed.). História geral da África III: África do século VII ao XI. Brasília, DF: UNESCO, 2010. p. 69-112.
FORD, Clyde W. O herói com rosto africano: mitos da África. São Paulo: Selo Negro, 1999.
GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1. ed. 13. reimp. Rio de Janeiro: LTC, 2008.
GIDDENS, Anthony. Sociologia. 4. ed. Porto Alegre: Artmed Editora S. A., 2005. 598 p.
GIORDANI, Mário Curtis. História da África: anterior aos descobrimentos. Petrópolis: Vozes, 1993.
GROSS, Eduardo. Considerações sobre teologia entre os estudos da religião. In: TEIXEIRA, Faustino (org.). A(s) ciência(s) da religião no Brasil: afirmação de uma área acadêmica. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2008. p. 323-346.
HRBEK, Ivan. A África no contexto da história mundial. In: FASI, M. El; HRBEK, I. (ed.). História geral da África III: África do século VII ao XI. Brasília, DF: UNESCO, 2010. p. 01-38.
ILÉ èdè yorùbá. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2014.
ISAIA, Artur César. Hierarquia católica e religiões mediúnicas no Brasil da primeira metade do século XX. Revista de Ciências humanas. nº 30. Florianópolis: EDUFSC, outubro de 2001. p. 67-80.
JENSEN, Tina Gudrun. Discursos sobre as religiões afro-brasileiras: da desafricanização para a reafricanização. Revista de Estudos da Religião. nº 1, jan. 2001. p. 01-21. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2014.
JESUS, Jayro Pereira de; et al. Reivindicações das Religiões de Matriz Africana ao Governo do Estado do RS. Disponível em: . Acesso em: 08 jan. 2014.
JORGE, Pe. J. Simões. Cultura religiosa: o homem e o fenômeno religioso. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1998. 138p.
JULLIEN, François. O diálogo entre as culturas: do universal ao multiculturalismo. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009. 221p.
KARDEC, Allan. A gênese. Disponível em: . Acesso em: 25 jun. 2014.
KARENGA, Maulana. Oduduwa. In: ASANTE, Molefi Kete; MAZAMA, Ama (org.). Encyclopedia of African religion. USA: SAGE Publication, Inc., 2009. p. 474-475.
KUHN, Fábio. Breve história do Rio Grande do Sul. 4. ed. Porto Alegre: Leitura XXI, 2011.
LEYVA, Pedro Acosta. Tipologia da hermenêutica afro-negra. In: Identidade! (periódico do grupo Identidade da Faculdades EST/IECLB). v. 14. Janeiro-Dezembro/2009.
LIBÂNIO, J. B.; MURAD, Afonso. Introdução à teologia: perfil, enfoques, tarefas. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2005.
LWANGA-LUNYIIGO, Samwiri; VANSINA, Jan. Os povos falantes de banto e a sua expansão. In: FASI, Mohammed El; HRBEK, I. (ed.). História geral da África III: África do século VII ao XI. Brasília, DF: UNESCO, 2010. p. 169-196.
MAESTRI, Mário. História da África negra pré-colonial. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.
MARTIN, Denise. Agricultural rites. In: ASANTE, Molefi Kete; MAZAMA, Ama (org.). Encyclopedia of African religion. USA: SAGE Publication, Inc., 2009. p. 17-19.
MATTOSO, Katia M. de Queirós. Ser escravo no Brasil. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.
MOORE, Carlos. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007. 320 p.
MORIN, Edgar. Cultura e barbárie europeias. (trad. Daniela Cerdeira). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009. 108p.
MUNANGA, Kabengele. Nova legislação e política de cotas desencadeariam ascensão econômica e inclusão dos negros, diz professor. São Paulo, 2005. USP On-line. Entrevista concedida a Marana Borges. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2014.
______. Negritude: usos e sentidos. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.
NASCIMENTO, Elisa Larkin. Introdução às antigas civilizações africanas. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (org.). Sankofa: matrizes africanas da cultura afro-brasileira. v. I. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 1996.
______. Introdução às antigas civilizações africanas. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (org.). A matriz africana no mundo. São Paulo: Selo Negro, 2008.
POLIAKOV, Léon. O Mito Ariano: ensaio sobre as fontes do racismo e dos nacionalismos. São Paulo: Perspectiva, 1974. 329 p.
PORTUGAL Fº, Fernandes. Ifá, o senhor do destino: Ọlọ́run Àyànmọ́. São Paulo: Madras, 2010.
PRANDI, Reginaldo. Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das letras, 2001.
RAIMUNDO, Jacques. O elemento afro-negro na língua portuguesa. Rio de Janeiro: Renascença, 1933.
REHBEIN, Franziska C. Candomblé e salvação: a salvação na religião nagô à luz da teologia cristã. São Paulo: Loyola, 1985. 313 p.
SÁ JÚNIOR, Mário Teixeira de. Fé cega justiça amolada: os discursos de controle sobre as práticas religiosas afro-brasileiras na república (1889/1950). Revista Brasileira de História das Religiões. ANPUH, Ano III, n. 9, Jan. 2011. p. 41-74.
SAINT-HILAIRE, Auguste de. Viagem ao Rio Grande do Sul (1820-1821). Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Um ocidente não-ocidentalista?: a filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. In: SANTOS, B. S.; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do sul. Coimbra: Almedina, 2009. p. 445-486.
SANTOS, Frei David. Sete atos oficiais que decretaram a marginalização do povo no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2014.
SANTOS, Juana Elbein dos. Pierre Verger e os resíduos coloniais: o outro fragmentado. Religião e Sociedade. n. 8, Julho de 1982. Disponível em: < http://culturayoruba.wordpress.com/pierre-verger-e-os-residuos-coloniais-o-outro-fragmentado/>. Acesso em: 11 set. 2014.
______. Os nagô e a morte: pàdé, àṣẹ̀ṣẹ̀ e o culto égún na Bahia. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. 264 p.
SANTOS JÚNIOR, Renato Nogueira dos. Afrocentricidade e educação: os princípios gerais para um currículo afrocentrado. Revista África e africanidades. Ano 3, nº 11, novembro/2010. Disponível em: . Acesso em: 08 jul. 2014.
SARAIVA, José Hermano. Historia concisa de Portugal. 4. ed. Portugal: Europa-América, 1979.
SILVEIRA, Hendrix. Quem é Kamuká? Jornal Bom Axé. ed. 32. Porto Alegre, p. 10, jan. 2008.
______. Afroteologia: elementos epistemológicos para se pensar numa teologia das religiões de matriz africana. In: CONGRESSO DA SOTER , 26., 2013, Belo Horizonte.  Anais do congresso da SOTER / Sociedade de Teologia e Ciências da Religião: Deus na sociedade plural: fé, símbolos, narrativas. Belo Horizonte: PUC Minas, 2013. p. 1133-1143.
______. Reminiscências e rupturas entre o Batuque do Rio Grande do Sul e a religião tradicional yorùbá. In: CONGRESSO DA ANPTECRE, 4., 2013, Recife. ARAGÃO, Gilbraz S.; CABRAL, Newton Darwin A (Orgs.). Anais do IV Congresso da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Teologia e Ciência da Religião: o futuro das religiões no Brasil. São Paulo: ANPTECRE, 2013. p. 1787-1809.
SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 1989. 396 p.
TALIB, Yusof. A diáspora africana na Ásia. In: FASI, Mohammed El; HRBEK, I. (editores). História geral da África III: África do século VII ao XI. Brasília, DF: UNESCO, 2010. p. 825-859.
TEIXEIRA, Faustino. O lugar da teologia na(s) ciência(s) da religião. In: TEIXEIRA, Faustino (org.). A(s) ciência(s) da religião no Brasil: afirmação de uma área acadêmica. 2ª ed. São Paulo: Paulinas, 2008. p. 297-322.
TILLICH, Paul. Teologia da cultura. São Paulo: Fonte Editorial, 2009. 212 p.
TSHIBANGU, Tshishiku; AJAYI, J. F. Ade; SANNEH, Lemim. Religião e evolução social. In: MAZRUI, Ali A.; WONDJI, Christophe (Eds.). História geral da África VIII: África desde 1935. Brasília: UNESCO, 2010. p. 605-630.
VERGER, Pierre. Etnografia Religiosa Iorubá e Probidade Científica. Religião e Sociedade, n. 8, Julho de 1982. Disponível em: < https://culturayoruba.files.wordpress.com/2014/07/etnografia-religiosa-ioruba-e-probidade-cientifica-pierre-verge1.pdf>. Acesso em: 11 set. 2014.

______. Orixás: deuses iorubás na África e Novo Mundo. 5. ed. Salvador: Corrupio, 1997. 295 p.

4 comentários:

temperosdo mund disse...

Boa tarde professor Hendrix.

Meu meu nome é Patricia sou de Religião de Matriz Africana e e estou interessada no curso EAD de História e Teologia das tradições Matriz Africana.
Gostaria de saber como será efetuado os pagamentos se tem assinatura de contrato de prestaçào de serviço.


Atenciosamente.
Patricia Santos de Oxalá

temperosdo mund disse...

Boa tarde professor Hendrix.

Meu meu nome é Patricia sou de Religião de Matriz Africana e e estou interessada no curso EAD de História e Teologia das tradições Matriz Africana.
Gostaria de saber como será efetuado os pagamentos se tem assinatura de contrato de prestaçào de serviço.


Atenciosamente.
Patricia Santos de Oxalá

Ceiça Matos disse...

Meu nome é Conceição Matos e gostaria de saber se este curso ainda está disponível.

Att

Sandra Covesi disse...

Boa tarde! Gostaria de aaber se esse curso tem certificacao no MEC e se ainda está diaponivel. Covesisandra@gmail.com 11 99552.5020

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...