Quem sou

PROF. DR. BÀBÁ HENDRIX SILVEIRA

Nasceu na vila São José, em Porto Alegre, onde ainda reside. Vem de uma linhagem familiar de vivenciadoras e sacerdotisas africanistas e umbandistas: Mimosa de Oxum (Tataravó); Mãe Augusta de Ogum (tia-bisavó), Mãe Maruti de Oxum (avó) e Tânia de Iansã (mãe). É casado com a Iyalorixá Patricia de Oyá e possui cinco filhos, todos do axé.


Trajetória religiosa

Foi iniciado por sua avó materna aos 21 anos, em 1994, e em 2001 recebeu o cacicado de Umbanda. Em 2000 ingressou na Nação Ijexá com Pai Pedro de Oxum Docô tendo se tornado Iyawô em 2002. Seguindo os preceitos dessa nação do Batuque e o desejo manifestado por seu Orixá, em 2008 conclui suas obrigações recebendo a maioridade iniciática. No mesmo ano, ainda seguindo o caminho que lhe foi traçado por Ọ̀rúnmìlà, fundou, junto com sua esposa, uma comunidade tradicional de terreiro, o Ilé Àṣẹ Òrìṣà Wúre, seguindo assim a tradição de suas famílias.

Sua linhagem religiosa começa com Esá Kujobá de Xangô, introdutor da Nação Ijexá em Porto Alegre, depois vem Ìyá Celetrina de Oxum Docô (1ª geração), Bàbá Hugo de Yemanjá Bomi (2ª geração), Ìyá Jovita de Xangô Agodô (3ª geração), Ìyá Miguela de Bará Ajelu (4ª geração), Bàbá Gelson de Bará Lodê (5ª geração), Bàbá Pedro de Oxum Docô (6ª geração) e Bàbá Hendrix de Ọ̀rúnmìlà, 7ª geração de sacerdotes da Nação Ijexá.


Trajetória acadêmica

- Curso de Graduação
2012 - Licenciatura Plena em História, pela Faculdade Porto-Alegrense.

- Cursos de Pós-Graduação
2013 - Especialização em Ciências da Religião pela Universidade Cândido Mendes.
2014 - Mestrado em Teologia pelas Faculdades EST.
2019 - Doutorado em Teologia pelas Faculdades EST.

- Cursos de Extensão
2004 - Teologia da Imolação nas Religiões de Matriz Africana.
2004 - História e Cultura Afro-brasileira e Africana.
2005 - Epistemologia Negro-Africana: Pedagogia do Axé.
2006 - Brasil Afro-Brasileiro? Educação e Identidade.
2006 - Etnicidade: Teoria e Pesquisa.
2007 - Metodologia do Ensino Religioso.
2008 - História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.
2012 - Religião e Religiosidade Africana.
2012 - Fruição no Idioma Yorùbá

Vínculos atuais com organizações e associações
2012 - Núcleo de Estudos e Pesquisa do Protestantismo (NEPP)
2012 - Conselho do Povo de Terreiro do Estado do Rio Grande do Sul (assessor técnico)
2013 - Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde - Seção RS (RENAFRO/RS)
2015 - Grupo de Pesquisa Identidade Étnica e Interculturalidade

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUEM É KAMUKÁ?

Quindim: doce africano ou português?

O QUE É “BALANÇA”?